terça-feira, 7 de agosto de 2012

Carmela, nascida na Itália Renascentista, teme ter um destino igual ao das irmãs, casadas com desconhecidos mediante vantajosos acordos financeiros. Sua vida de servidão é interrompida quando um velho pintor de afrescos chamado Marcello, a contrata por um período para acompanha-lo como sua ajudante na pintura de uma capela. Durante o trabalho, Carmela desperta o interesse de um dos aprendizes de Marcello (Giovane), porém, quem chama a atenção da jovem é o estranho Lorenzo, filho de Marcello, que trabalha sozinho todas as noites na capela. O velho Marcello e sua esposa (Ludovica) criam uma atmosfera de mistério e preocupação em torno de Lorenzo. O trabalho solitário do rapaz instiga a curiosidade de Carmela. Inicia-se, uma conturbada história de amor entre tintas, obras de arte e sangue.

OK, você vê a capa e não diz que é um livro de vampiros, certo? Certo! Aliás, você só tem ideia do tema na última palavra da sinopse. Legal, não é?! Esse é um livro que sai um pouco da modinha – é de vampiros, mas é diferente. E é claro que vocês já sabem que eu adoro essa temática, certo? Certo!
A história se passa durante o Renascimento, na Itália. Carmela está a ponto de se casar, mas não quer este destino de jeito nenhum - lembrando que nesta época os casamentos eram acordos comerciais entre famílias. Sua salvação chega com a visita de Marcello, um pintor que viu talento nas mãos da jovem enquanto macera unguentos (ou seja, esmagava folhas e líquidos até obter uma pasta), e a convida para passar uma temporada como aprendiz e fabricante das suas tintas– e pagando bem ao pai de Carmela, o equivalente a um dote. Enquanto trabalham pintando uma capela, eis que surge um personagem que chama a atenção de nossa protagonista: o jovem Lorenzo – filho de Marcello.
A atração é imediata e, aos poucos, Carmella ganha a confiança de Lorenzo e seus pais. Namorico na certa! Porém os eventos da vida fazem com que os dois se separem e Carmela seja prometida a outra pessoa – novamente os acordos comerciais. E o que resta ao nosso solitário Lorenzo? Ir atrás dela, claro! Só que tem um detalhe, ele ainda não contou o que ele realmente é, e os acontecimentos da noite fazem a inocente Carmela ver coisas que nunca imaginou. Será ilusão? Loucura? É possível confiar em Lorenzo?

Gente, não posso falar mais que isso, senão é muita revelação! A história é muito lindinha! É inocente, interessante, bela. A obra é dividida em 5 “livros”, cada um com um ponto de vista – o que é muito legal, porque o leitor não fica preso a uma mente, entendendo mais facilmente a história. Ah, o livro é inteiro em primeira pessoa.
Eu gostei da maneira como o amor entre os dois é discutido. Algo adolescente, esperto, inocente sem ser bobo. Diria mais: a história é inteligentíssima. Além do romance, retrata história – o autor teve muito cuidado em trazer elementos históricos para dar mais veracidade à trama. Também trouxe elementos de artecomo as pinturas em afresco, com notas de rodapé explicando termos complexos – o que me ajudou a compreender a narrativa. Aliás, Rubens Conedera explica certinho como os afrescos eram feitos – me ajudou até nos estudos de História da Arte... Obrigada Rubens, te devo uma!

Outra coisa que eu gostei: o ponto de vista de Carmela é escrito normalmente, enquanto o de Lorenzo é em itálico – aí eu pensei que era loucura. Mas como eu sou devagar, depois eu entendi – na parte onde há os dois pontos de vista, que é para diferenciar os dois personagens. Ficou muito bom e diferente!
Sabe o que eu mais gostei? A facilidade que o leitor tem de “mastigar” a obra! A leitura é muito fluida e interessante. Mas é mais: é de rápida interpretação – o que é maravilhoso. As palavras têm classe e simplicidade ao mesmo tempo. Uma obra leve e chiquecomo uma pintura renascentista.
É óbvio que eu tenho que bancar a chata e colocar pontos negativos (como em todas as minhas resenhas) – mas saibam que esses detalhes não estragaram a “Carmela e Lorenzo”. Apenas afetaram a minha imaginação – e isso pode não acontecer com vocês!
Não gostei das figuras pintadas no meio da obra retratando os personagens. Sério, as representações de Carmela e Lorenzo conseguem diminuir minha imaginação – definitivamente não gosto de imagens “descritivas” dos personagens e/ou locais antes de ler os livros!
Ah, também não gostei de umas “misturebas” de passado com presente. Olha só:

"Lorenzo recuperou-se e me enxergou. Seu ânimo parecia ter sido renovado e ele ergue-se, segurando os pulsos da mulher” (p.206).

Se ele se recuperou, ele se ergueu. Se ele recupera, ele ergue. Ainda mais porque a narrativa é escrita toda no passado, então deveria seguir este padrão – o que eu gosto. E tem mais passagens assim. Só gostaria de saber, e estou sendo sincera, foi falha na hora escrever – afinal, é normal falhar uma letra; ou na hora de revisar. A intenção era deixar assim ou não? Pergunto por que eu leio, ultimamente, tanto livros assim, que me pergunto se é normal escrever dessa forma... Enfim...
Claro que eu não vou contar o porquê da minha próxima pergunta, mas não entendi uma coisa: a pessoa vira vampira ao ter seu sangue sugado ou ao tomar o sangue de um vampiro? Porque acontece as duas coisas, aí fiquei sem entender – ou eu que não li direito, será?
Gente, outra coisa: vocês têm que ver como foi realizada a paginação do livro: os números parecem ter sido pintados à mão. Lindo!

Aliás, o livro todo é lindo!
Só posso dizer que é claro que vale a pena ler! Agora tenho mais um autor da lista dos nacionais “bons de bola”, aliás, de escrita!
Reações:

8 comentários:

  1. Oi =D
    Esse livro já me conquistou por ser narrado em um período histórico. Estudei Renascimento em História e Artes e adorei. Então eu iria adorar esse livro também. ^^

    ResponderExcluir
  2. Ótima resenha! Sempre fiquei me perguntando como seria Carmela e Lorenzo, e agora com suas palavras, minha expectativa para essa estória aumentou muito *-*

    Bjs

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  3. Muito fofa essa resenha... eu acho que vi o problema na frase que você colocou para exemplo... para mim soou assim a primeira parte a moça fala. A segunda parte parece ponto de vista de outra pessoa... mas sei lá... de repente é só maluquice minha.
    Ainda assim eu gostei demais da resenha a ponto de me interessar a ler!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser que eu não tenha entendido, também hehehehe. Obrigada Danielle! ;D

      Excluir
  4. Muito obrigado por sua resenha!! Achei linda, e adorei a sinceridade, pois não é a primeira vez que estes pontos negativos são citados! Adorei!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Rubens! Evidencio a sinceridade aqui, sempre! É o melhor caminho! Obrigada o/

      Excluir

Assine nosso Feed! Skoob! Siga-nos no Twitter! Facebook!